Uopeccan: há 31 anos somando forças e oferecendo atendimento humanizado

No dia 12 de junho de 1991 a história da Uopeccan começou a ser escrita. Tudo teve início através do rotariano e médico oncologista Antoninho Ricardo Sabbi, que, à época, levou a ideia ao Rotary Club Harmonia, para criar uma Casa de Apoio.

Ele conta que devido a sua formação, era apaixonado pela causa do combate ao câncer e, após realizar um curso na França e conhecer uma casa de apoio onde os pacientes ficavam hospedados, pensou em trazer a ideia para Cascavel.

“Quando ouço o nome Uopeccan, e ao ver o que ela hoje tem e representa para a comunidade, me encho de orgulho e gratidão. Sendo referência não só no diagnóstico e tratamento do câncer, como no ensino da oncologia e transplante de medula óssea, trazendo para a comunidade local, um avanço e um suporte importante e incomparável no tratamento e no combate ao câncer”.

Hoje, 31 anos depois de sua fundação, o hospital é visto como uma referência em atendimento humanizado, não apenas no Paraná, mas no Brasil e no exterior. Apenas em 2021, foram realizados 203.696 atendimentos, totalizando 47.343 pacientes atendidos, entre adultos e crianças.

Atual presidente da Uopeccan, Leopoldo Furlan, participou do processo de fundação e destaca a soma de forças para o desenvolvimento do hospital: “Nesses 31 anos, a Uopeccan, que nasceu da comunidade, tem devolvido todo esse trabalho para a própria comunidade. A instituição foi fundada com o coração e toda a equipe, todo o trabalho que é feito, faz com que ela seja referência em tratamento de câncer, humanizado”.

A União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer, possui uma missão clara: Oferecer atendimento médico-hospitalar de qualidade, de forma humanizada e segura, promovendo a geração de conhecimento por meio do Estudo e da Pesquisa. Como relembra um dos sócios-fundadores e diretor de relações públicas, Wilson Riedlinger, “Hoje, fazemos parte de um dos maiores hospitais do Brasil, em qualificação internacional de transplantes e relacionamento, um propósito e um ideal e esse ideal está sendo cumprido até o presente momento”.

O presidente do Conselho Superior da Uopeccan, Ciro Antônio Kreuz, relembra da fundação do hospital e dos 21 anos que passou como presidente da instituição, destacando a importância que a sociedade tem para o desenvolvimento: “É um trabalho muito árduo, mas gratificante. Graças ao apoio da comunidade, do empresariado, graças a eventos, parcerias, promoções e doações, governos municipais, estaduais, federais, a instituição cresceu, teve apoio financeiro, conseguiu se manter até os dias de hoje, conseguindo uma filial em Umuarama”.

Tudo isso é possível graças ao trabalho de diversas pessoas, que somam 638 colaboradores e 98 médicos. No hospital há 21 anos, a gerente de assuntos institucionais, Kelyn Aires, conta que trabalhava em um escritório que realizava a contabilidade da Uopeccan e foi convidada a atuar no hospital, passando por diversos setores. “Eu amo o que eu faço, nosso trabalho tem muito propósito, nós conseguimos melhorar a situação de saúde dos pacientes e quando não, de pelo menos amenizar o sofrimento. Trabalhamos com muita humanização, isso traz uma realização como pessoa que eu não teria em outros trabalhos”.

Evolução estrutural, tecnológica e de atendimentos

Hoje, a Uopeccan conta com 104 leitos adultos e 8 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), 5 salas de Centro Cirúrgico e estrutura para o tratamento de pacientes infantojuvenil na ala da Oncopediatria, com 11 leitos e 2 leitos na UTI pediátrica. Além dos tratamentos realizados pelo SUS, o hospital atende pacientes de convênios e particular.

Médico no hospital há 22 anos, Ademar Dantas da Cunha Jr., que é oncologista clínico e hematologista, relembra o início da instituição, quando o ambulatório funcionava anexo ao Hospital Regional e os atendimentos eram apenas para pacientes do SUS. “Depois que foi construído o hospital, veio a evolução natural da Uopeccan. Na minha área, conseguimos montar o Transplante de Medula Óssea Autólogo, residência médica, centro de pesquisa. Eu cheguei em Cascavel em 2000 e cresci junto com a Uopeccan, fico muito feliz e orgulhoso de ver a diferença do que era antes e a potencialidade que a instituição tem hoje, com tantos serviços disponíveis à população”, afirma.

Desde 2009, a Uopeccan já realizou 231 transplantes de medula. Além disso, é a única instituição do interior a ser credenciada para executar o transplante de fígado, sendo que já foram feitos 160 transplantes.

Casa de Apoio

A Casa de Apoio é um espaço importante para a instituição, onde ficam aqueles pacientes que vem de fora e não possuem conhecidos ou condições de gastar com hospedagem. É no espaço também onde ocorrem as confraternizações promovidas pela LFCC e interação entre os pacientes.

Cada quarto pode receber até 4 pessoas, o local possui ainda um jardim, capelania, espaços comuns com televisão e cozinha para as refeições diárias. Em 2021, passaram pela casa 1.291 pacientes, 650 acompanhantes e foram servidas 26.538 refeições.

Filial em Umuarama

O tamanho da Uopeccan não coube apenas em Cascavel, se expandindo para Umuarama, onde a filial foi inaugurada em 4 de março de 2016 e atende toda a macrorregião, que engloba mais de 80 munícipios. Além do tratamento contra o câncer, o hospital atua nas demais especialidades médicas habilitadas.

Voluntariado

Outro braço muito importante para o hospital é o voluntariado. Em Cascavel são 208 que doam o tempo para pacientes em tratamento, em diversos setores. Para capacitar os voluntários, a Legião Feminina de Combate ao Câncer (LFCC) orienta sobre os trabalhos desenvolvidos na entidade. Além disso, ajudam os pacientes a lidarem com a autoimagem durante o tratamento, como técnicas para usar lenços, perucas e também a promoção de momentos de interação entre os pacientes que ficam na Casa de Apoio.

“Eu acredito que todos os pacientes que passam pela Uopeccan recebem em primeiro lugar muito amor. É a nossa obrigação por todos eles. A pessoa que recebe um diagnóstico desse, se sente muito fragilizada. A nossa obrigação, o jeito de poder recebê-los e tratá-los é com amor”, enfatiza a diretora da LFCC, Edna Saes Lazzarini.

Importante trabalho desenvolvido no hospital também é a capelania, em que 56 voluntários doam o tempo para conversar e, principalmente ouvir, os pacientes que ficam nas alas. A capelania é coordenada pelo capelão Guinter Alencastro Hervella.

Como doar

Para que a instituição continue a crescer, a doação de toda a sociedade é muito importante. Sua contribuição pode ser de roupas, alimentos, leite, fralda ou financeira. Você pode entregar diretamente no Núcleo Solidário de Cascavel (Rua Potiguaras, 880 – Santo Onofre) ou na Uopeccan de Umuarama (Avenida Paraná, 7592, Zona III). Também é possível doar pelo Pix de Cascavel: pix.cr@uopeccan.org.br ou de Umuarama: pix.cr.umu@uopeccan.org.br