SAREH completa 10 anos

No Hospital Uopeccan, mais de 600 alunos foram atendidos só em 2016

No dia 25 de maio, são comemorados os dez anos do projeto SAREH, o Serviço de Atendimento à Rede de Escolarização Hospitalar. Instituído no Paraná por Diário Oficial no dia 12 de junho de 2007, o programa da SEED (Secretaria do Estado da Educação) possibilita o atendimento educacional nos hospitais, focando nas crianças e adolescentes que não completaram ou sequer iniciaram o processo escolar. Por conta disso, o mês de maio é especial para a educação paranaense, principalmente para os envolvidos no SAREH.

Em Cascavel, o projeto foi abraçado pelo Hospital Uopeccan em 2012. Antes do SAREH, o trabalho com as crianças e adolescentes focava mais na recreação, conforme relata a gerente de assuntos institucionais do Hospital, Kelyn Aires. “Antes dessa parceria com a SEED, os próprios voluntários faziam um trabalho recreativo com os pacientes. Mas agora, com o Serviço, nós podemos oferecer o suporte educacional, então durante o processo médico, o adolescente e a criança internada se sentem incluídos e também ocupam a mente com as atividades propostas”, declara.

Na instituição, a equipe do SAREH é formada por quatro pessoas: Aryadny Neubauer, pedagoga; Leila Virtuoso, professora da área de Linguagem; Maria Margarida Peternela, professora da área de Exatas e Luzia Rodrigues, professora da área de Humanas. “As pessoas muitas vezes não entendem a dinâmica do nosso trabalho pelo fato de ser realizado em um ambiente hospitalar. Mas é possível promover uma educação de qualidade que atenda as diversas necessidades dos alunos que se encontram hospitalizados e impossibilitados de frequentar a escola regularmente. Como professor devemos considerar o tempo de ensinar, o tempo de aprender, a série e idade do aluno”, explica Leila.

No Hospital, crianças e adolescentes de diversas idades são atendidas. “No Hospital, os alunos atendidos pelo Programa SAREH, são crianças e adolescentes de diversas idades, que estão passando por tratamento oncológico. O foco do programa é o atendimento pedagógico aos alunos do Ensino Infantil até o Ensino Médio.”, indica Aryadny. Com tamanha variedade de demandas e conteúdos, as atividades são adaptadas levando em consideração a necessidade do aluno/paciente. “Todas as crianças e adolescentes que chegam na Uopeccan, seja para consultas, internamentos ou tratamentos, passam por nós. Quando elas estão matriculadas em alguma escola, nós entramos em contato e pedimos toda a grade curricular para entender em qual período ela parou ou teve seus estudos parcial ou totalmente interrompidos pelo tratamento. Nossos encaminhamentos pedagógicos são pautados nas Diretrizes Curriculares do Estado do Paraná”, completa Maria Margarida.

Levando em consideração o ambiente hospitalar, as atividades são desenvolvidas ou na sala de aula/brinquedoteca da Uopeccan ou até mesmo nos quartos. Com isso, todas as aulas são preparadas para durarem um período completo, de modo que o aluno comece e termine no mesmo dia. “Não é como uma escola, em que a gente entra e tem vários jeitos de dar uma aula. Aqui, nós precisamos aproveitar o tempo que o aluno está bem para aproveitar ao máximo a sua disposição”, afirma Leila.

Com esta proposta de humanizar a educação, segundo dados do NRE (Núcleo Regional da Educação em Cascavel), no ano de 2016, o SAREH na Uopeccan prestou 2.645 atendimentos para 662 alunos. Em fevereiro deste ano, já foram 200 atendimentos. Segundo a coordenadora do programa no NRE, Dorimar Dal Bosco, cada número representa uma conquista. “Hoje os próprios professores estão mais preparados para adaptar suas aulas e adequar a metodologia às necessidades dos alunos. Já há maior conhecimento da realidade de cada um e isso deixa o serviço ainda mais eficiente”, aponta Dorimar. Ainda de acordo com ela, o Serviço humaniza e, ao mesmo tempo, promove a inclusão. “Tendo o suporte do SAREH, o aluno vai continuar aprendendo enquanto estiver no Hospital, então quando ele volta pra escola, não fica totalmente alheio aos conteúdos. Ele sabe o que está acontecendo e, embora as condições sejam diferentes, ele sabe que teve acesso às atividades e ao conhecimento”, complementa.

Muito além da humanização e inclusão, no entanto, o Hospital Uopeccan incentiva projetos que estão diretamente ligados ao SAREH. “O livro Anjos do Bem, por exemplo, só é possível por conta dessa parceria. Nesse projeto, as crianças se reúnem com as professoras e escrevem histórias que fazem parte da vida delas. Depois, as professoras revisam e organizam tudo para publicamos o Anjos do Bem, um livro que não apenas eterniza histórias, como também oferece uma espécie de apoio aos novos pais e crianças que passam a ser atendidos no Hospital. Através do livro, eles podem conhecer um pouco da realidade vivida aqui”, enfatiza Kelyn.

Diante disso tudo, o projeto aos poucos se populariza e, segundo Leila, o sonho de toda a equipe, mantida pela Secretaria de Estado da Educação, é um só: fazer com que o serviço de escolarização hospitalar seja mais procurado e seja, realmente, integrado ao serviço das escolas. “Nós ligamos para as escolas e pedimos os planos e currículos escolares. Muitos ainda desconhecem o nosso trabalho e apresentam receio em nos mandar esses materiais. Por isso, o que a gente mais quer, para os próximos dez anos, é que escolas, pais e até crianças e adolescentes saibam que o SAREH é um direito e que ele deve ser garantido”, finaliza a professora que abraça as disciplinas de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Artes e Educação Física.

Sobre o SAREH

O Serviço de Atendimento à Rede de Escolarização Hospitalar tem como objetivo o atendimento educacional aos alunos impossibilitados de frequentar a escola em virtude de internamento hospitalar ou tratamento de saúde. O programa permite a esses estudantes a continuidade do processo de escolarização, inserção ou reinserção em seu ambiente escolar através de atendimento pedagógico hospitalar e domiciliar especializado. A escolarização hospitalar está prevista na legislação brasileira desde a Constituição Federal (1988), Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA (1990), Lei de Diretrizes e Bases – LDB (1996) e nas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. No Paraná, são 19 Hospitais conveniados ao programa.

Sobre o Hospital Uopeccan

Fundado em junho de 1991, o Hospital é fruto de dedicação e trabalho de milhares de pessoas que sonhavam com um hospital especializado em Oncologia na região oeste paranaense. Referência em toda a América Latina, o Hospital Uopeccan possui uma unidade em Cascavel e outra em Umuarama. Dessa forma, se destaca no tratamento, combate e estudos sobre o câncer. Nascemos com a missão de atender com humanismo e competência toda a população que necessite dos nossos cuidados. Nossa prioridade sempre será o paciente. Nosso compromisso e dedicação sempre será pela vida.