Saiba como diferenciar os sintomas do câncer infantojuvenil com doenças comuns da infância

Identificar os sinais do câncer infantojuvenil pode ser um grande desafio para alguns pais, mas é preciso ficar atento para manifestações adversas que aparecem no corpo da criança, pois eles podem se confundir com doenças comuns da infância. Hoje, 15 de fevereiro é comemorado o Dia Internacional de Combate ao Câncer Infantil, que tem por objetivo alertar sobre o diagnóstico precoce.

Segundo a oncologista pediátrica do Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel, Carmem Maria Costa Mendonça Fiori, o câncer infantil não tem como prevenir e necessita atenção aos indícios da doença para a descoberta no início. “A persistência de sinais e sintomas, após um tratamento especifico, poderá servir de alerta para a possibilidade de câncer. A criança deve ser reavaliada e deve prosseguir a uma avaliação clínica mais detalhada e realização de exames para esclarecimento do diagnóstico”, alerta a médica oncopediátrica.

A médica ainda orienta que os pais devem procurar atendimento nas Unidade Básica de Saúde e hospitais, quando a criança apresentar; mal estar generalizado, palidez (anemia), dor de cabeça/vômitos, dor nas juntas ou nos ossos, febre sem causa específica, aumento das ínguas, manchas roxas em locais livres de pancadas (como costas e nuca) e mancha branca no olho e roxa ao redor do olho, independentemente do tipo de câncer.

A Elizabeth Lopes Cano Pereira, mãe da Ellen Maria Pereira, de 6 anos, percebeu que algo não estava bem com a saúde da filha no início do ano passado. “Eu levei minha filha na farmácia com febre, o farmacêutico disse que poderia ser por conta da garganta que estava inflamada. Mas eu sabia que tinha algo de errado, ela estava pálida nos lábios, orelhas e olhos”, conta a Elizabeth sobre os primeiros sinais.

Na semana seguinte foi realizado a consulta e exames com o pediatra, o resultado saiu alterado evidenciando a suspeita de leucemia. Ellen fez a primeira transfusão de sangue no hospital de Foz do Iguaçu. Após o procedimento ela foi transferida para o Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel dando continuidade ao tratamento contra leucemia linfoide aguda (LLA), um dos cânceres infantis mais comuns.

Durante o tratamento Ellen se mudou juntamente com a mãe de Foz do Iguaçu para Cascavel para realizar as sessões de quimioterapia. Depois de um ano, ela realiza uma vez por mês o acompanhamento médico na instituição. “Não foi um período fácil no início, ficamos longe da família em virtude do tratamento, mas em compensação recebi todo apoio do hospital”, conta a mãe da Ellen, Elizabeth Lopes Cano Pereira.

Leucemia

De acordo com Instituto Nacional de Câncer, a leucemia é uma doença maligna dos glóbulos brancos, geralmente, de origem desconhecida. Tem como principal característica o acúmulo de células doentes na medula óssea, que substituem as células sanguíneas normais.

A medula óssea é o local de fabricação das células sanguíneas e ocupa a cavidade dos ossos, sendo popularmente conhecida por tutano. Nela são encontradas as células que dão origem aos glóbulos brancos (leucócitos), aos glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e às plaquetas.

Na leucemia, uma célula sanguínea que ainda não atingiu a maturidade sofre uma mutação genética que a transforma em uma célula cancerosa. Essa célula anormal não funciona de forma adequada, multiplica-se mais rápido e morre menos do que as células normais. Dessa forma, as células sanguíneas saudáveis da medula óssea vão sendo substituídas por células anormais cancerosas.

As leucemias mais frequentes na infância são a leucemia linfocítica aguda (LLA) e a Leucemia mieloide aguda (LMA) e menos frequente a leucemia mieloide crônica (LMC).

Quais são os tipos de câncer mais frequentes em crianças?

O câncer pode atingir qualquer faixa etária e surgir em diversos locais do corpo da criança. Os mais frequentes são: A leucemia (câncer no sangue), seguido do câncer na cabeça (Tumor do Sistema Nervoso Central) e depois nas ínguas (Linfomas).

Outros cânceres menos frequentes são tumor no rim (Tumor de Wilms), na supra renal (Neuroblastoma/ Carcinoma do córtex adrenal), tumor ósseo (Osteosarcoma), no musculo (Sarcomas), tumor no olho (Retinoblastoma), tumor de fígado (Hepatoblastoma/Hepatocarcinoma), de testículo/ovário (Teratoma/Carcinoma), dentre outros.