Proatividade entre seringas e prontuários

Pequenas iniciativas contribuem para melhorias na Uopeccan

Diariamente, centenas de colaboradores fazem com que o hospital funcione. Como engrenagens, cada função é de extrema importância para que os atendimentos sejam realizados e que todos os setores funcionem com eficácia. Além de seringas e prontuários, outra importante ferramenta de trabalho é a proatividade, presente em diferentes setores da unidade do Hospital Uopeccan.

Com contato direto aos pacientes, os técnicos de enfermagem desempenham papel operacional de extrema importância, no cuidado e tratamento das pessoas que são atendidas na instituição. Na unidade de Umuarama, foi de um técnico de enfermagem que uma ideia simples surgiu para otimizar o trabalho desses profissionais. “Como o prontuário é atualizado diariamente, os técnicos fazem relatórios do plantão. E sempre houve uma dificuldade em escrever esses relatórios, porque demoravam, alguns achavam difíceis e eu acabei criando um método, não muito diferente do que já era feito, mas que facilitava o processo”, explica Gilson Patrício dos Santos, 24, técnico em enfermagem.

Em primeiro momento, Gilson criou um esqueleto do relatório, com um texto base, para ser preenchido com as informações de cada paciente. Como a realidade de cada setor é diferente e por ter tido contato com vários alas, Gilson pode pôr em prática a vivência e trabalho realizado no hospital, para melhorar o trabalho. “Pelo fato de ser obrigatório e pela necessidade de um processo mais rápido, objetivo e eficaz, e fica muito mais fácil quando é feito por quem usa e pratica diariamente”, enfatiza Gilson.

Segundo a supervisora de enfermagem, Érica Riedlinger, iniciativas assim precisam ser valorizadas. “Acredito que ser líder de uma equipe compreende criar condições adequadas, despertar o melhor potencial de cada um e valorizar as suas iniciativas sempre reforçando estes comportamentos de forma eles se repliquem dentro do ambiente de trabalho, criando um clima propício para a motivação, o autodesenvolvimento e o sucesso”, explica.

Citando Bill Hewlett, “homens e mulheres desejam fazer um bom trabalho. Se lhes for dado o ambiente adequado, eles farão”, Érica salienta que o ambiente compreende mais que o espaço físico. “Compreende, essencialmente, ser reconhecido pelo trabalho realizado e pelo legado deixado. Despertar este pensamento nas pessoas faz com que elas se sintam incentivadas a colocar sua marca no trabalho, deixando de ser ator passivo do processo de trabalho e agindo ativamente no intuito de melhorar os resultados”.

Responsáveis pela limpeza e higiene diária, os profissionais do serviço de apoio estão em todos os setores do hospital, desde a recepção, até nos centros cirúrgicos esse trabalho é desenvolvido. Nos ambulatórios, por exemplo, para secar as grandes pias, eram necessárias três compressas. Depois da ideia da colaboradora Regiane do Nascimento Ferreira de Oliveira, esse gasto diminuiu. Isso porque, uma ideia simples mudou a rotina, otimizando tempo e reduzindo os gastos.

No fim das contas, são gestos simples, mas como diz o ditado “de grão em grão…”, a diferença acontece. Para Érica, “o exemplo é a melhor forma de incentivo, seguido de feedbacks constantes que moldem e reforcem as ações. Por fim, cito uma frase de Mary Kay Ash, ‘há duas coisas que as pessoas querem mais que dinheiro: reconhecimento e elogios”.