Paciente de 26 anos compartilha história de luta contra o câncer de mama

Este mês é Outubro Rosa, período estabelecido mundialmente para ações de conscientização contra o câncer de mama. E ao falar em câncer, a face dessa doença pode não parecer de uma mulher na casa dos vintes anos, visto que a recomendação para o exame de mamografia é a partir dos 40. Mas quem pensa isso, se engana. Fernanda Moreno, de apenas 26 anos, luta contra o câncer de mama há pouco menos de um ano, sendo que já passou por quimioterapias e uma cirurgia de retirada e reconstrução das mamas.

“Em junho do ano passado eu resolvi fazer um ultrassom, porque sentia meu seio muito inflamado e achava que isso era resultado de eu ter parado de tomar anticoncepcional. O exame mostrou que não era nada grave, apenas uma inflamação. Mas, cada vez mais, estava pior e foi virando um caroço, da axila até o centro do seio. Seis meses depois eu voltei no médico. Quando ele viu, se apavorou e pediu urgente uma ressonância. Quando ele leu o resultado, me encaminhou para o hospital do câncer de Pato Branco, mas eu não aceitei o resultado de câncer”, relembra Fernanda. Isso porque, ela é 4ª mulher da família a desenvolver a doença e duas não sobreviveram. Assim, Fernanda foi em busca de uma segunda opinião, quando foi feita uma biópsia, que apresentou o mesmo diagnóstico.

Em casos como o de Fernanda, em que outras mulheres tiveram o câncer, é necessário iniciar o rastreio antes. “Uma mulher que possui casos de câncer na família, deve iniciar os exames de prevenção, como ressonância e ultrassom, 10 anos antes do parente de primeiro grau, exceto a mamografia (que não deve ser feita antes dos 30)”, explica o cirurgião-oncológico do Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel Daniel Castro.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de mama é a primeira causa de morte pela doença na população feminina em todas as regiões no Brasil, exceto na região norte, onde o câncer de colo de útero ocupa essa posição. Dessa forma, o autoexame também é uma forma essencial para que a mulher conheça o corpo e saiba detectar quando algo estiver diferente. De acordo com o médico, os principais sintomas são: caroço, inchaço, secreção papilar, nódulo axilar.

Como aceitar o diagnóstico?

Lidar com o fato de que se está com câncer é um processo individual, mas fundamental. Como explica o psicólogo da Uopeccan de Cascavel Claudecir Verli. “A aceitação é parte fundamental no processo. Isso não significa que vá se tornar fácil, ou que todos os envolvidos devam estar de acordo com os desafios enfrentados. Ao compreender que o diagnóstico é real e faz parte de quem é, e que não a define, o caminho se torna mais leve e o decorrer da caminhada pode fazer mais sentido”.

Aos pacientes que fazem tratamento no hospital e demonstram desejo em fazer acompanhamento psicológico, basta conversar com a enfermeira ou médico, que possa direcioná-lo ou realizar o agendamento diretamente no Serviço de Psicologia Hospitalar.

Agendamento de mamografia

Este mês, é Outubro Rosa, para a conscientização sobre o exame de mama. E na Uopeccan não é necessário trazer um encaminhamento médico do posto de saúde, basta ligar nos telefones (45) 2101-7015 ou (44) 2031-0831 ou agendar pelo site https://outubrorosa.uopeccan.org.br/. O exame é oferecido de forma gratuita o ano todo.