Missão salvar vidas: modo ativar

A Uopeccan em parceria com o Instituto Ronald McDonald comemora o Dia Internacional de combate ao câncer infantojuvenil com bons resultados

 

Foi dada a largada para mais um ano de projeto Diagnóstico Precoce. Ontem (15) no auditório do Núcleo Solidário as médicas oncopediatras e coordenadoras do projeto Carmem Fiori e Aline Rosa deram início ao curso de capacitação dos profissionais de saúde dos municípios da região de Cascavel.

“Esse projeto é de extrema importância, pois com ele temos tido mais crianças curadas. Precisamos mostrar esse projeto e os resultados dele, para comprovar que com o diagnóstico precoce, as chance de cura aumentam muito”, explica a Dra. Carmem Fiori. “Agradeço a Deus e ao instituto Ronald por colocar esse projeto aqui na região de Cascavel, para que possamos fazer algo por nossas crianças”.

No dia 15 de fevereiro é comemorado o Dia Internacional do Combate ao Câncer Infantojuvenil, sendo  assim, o início do curso e a presença do superintendente do instituto Ronald McDonald, Francisco Neves, vieram para abrilhantar a data no hospital.

Mesmo sendo uma doença rara, o câncer infantojuvenil representa a segunda maior causa de mortes na faixa de 5 a 19 anos. Por outro lado, o índice de cura chega a 70% se diagnosticado precocemente. O Hospital Uopeccan, em parceria com o Instituto Ronald McDonald, por meio do Programa Diagnóstico Precoce do Câncer InfantoJuvenil, capacita profissionais de Saúde da Família e Pediatras dos municípios do Paraná para suspeição do câncer em crianças e adolescentes, desde 2008.

“Nós ainda temos uma dificuldade muito grande, alguns profissionais ainda não conseguem identificar rapidamente o câncer, o que faz com que atrase o tratamento. Não é fácil fazer diagnóstico de câncer, pois se parece muito com doenças simples de crianças, mas nós estamos aqui dando aula para os profissionais em busca de diagnósticos mais precoces”, enfatiza a médica.

A Uopeccan foi a primeira instituição do sul do Brasil a participar do projeto. “Nas cidades onde o programa foi implantado houve um acréscimo de 23% de detecção de suspeita de câncer e uma diminuição no tempo do tratamento, de 13 para 5 semanas, para a criança isso significa muito, 13 semanas é muito tempo para elas”, ressaltou o superintendente.

Durante os oito anos de projeto foram capacitados os profissionais de 22 municípios do estado do Paraná, sendo duas capacitações em Cascavel (em 2008 e no projeto 2015-2016), Santa Tereza do Oeste, Jesuítas, Campo Bonito, Toledo, Altônia, Cafelândia, Iporã, Assis Chateaubriand, Mariluz, Catanduvas, Braganey, Corbélia, Santa Lúcia, São Jorge do Patrocínio, Umuarama, Foz do Iguaçu, Anahy, Laranjeiras do Sul, Pérola, Missal e Dois Vizinhos. Cerca de 1.663 profissionais da saúde já tiveram informações sobre o câncer infanto-juvenil no Noroeste, Oeste e Sudoeste do estado. Na etapa do programa 2016/2017 serão contemplados mais cinco municípios: Matelândia, Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Céu Azul e Medianeira.

Para os profissionais que participam da capacitação, o curso só tem a agregar e facilitar no momento do diagnóstico infanto-juvenil. “Se a equipe, o médico, não estiver preparado ele pode deixar passar uma doença grave, achando que é uma doença simples”, justifica o médico Neckson Solto, que iniciou o curso na tarde de ontem.

 

Dra. Carmem Fiori, coordenadora do Projeto Diagnóstico Precoce

Dra. Aline Rosa coordenadora do Projeto

Primeiro curso de capacitação de 2017

Visita ilustre da Suelen e do sr. Francisco Neves, superintendente do Instituto Ronald McDonald