Médico da Uopeccan recebe prêmio de melhor trabalho publicado na revista científica da SBEM

O endocrinologista do Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel, Diego Henrique A. de Oliveira, recebeu neste mês o Prêmio AE&M Professor Waldemar Berardinelli, de melhor trabalho publicado, com o artigo “Is there a place for measuring serum calcitonin prior to thyroidectomy in patients with non-diagnostic thyroid nodule biopsy?”, publicado na revista Archives of Endocrinology and Metabolism, Jornal oficial da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia).

“Este reconhecimento científico é extremamente importante, pois foi escolhido como o melhor trabalho dentre centenas publicados na revista em 2021, onde são recebidos artigos de autores de vários centros de pesquisa renomados brasileiros e internacionais. Creio que tenhamos recebido este prêmio, pois a ideia transmitida é simples e possível de ser colocada em prática na conduta clínica, preenchendo uma lacuna no impasse da dificuldade diagnóstica do CMT (Carcinoma Medular de Tireoide)”, afirma o médico.

Como este artigo é benéfico para os pacientes?

De acordo com o especialista, a base para a pesquisa e produção do artigo foi realizada com dados de prontuários de pacientes com características clínicas de CMT hereditário, com ultrassonografia da tireoide, dosagem de calcitonina sérica e PAAF (Punção Aspirativa com Agulha Fina) do nódulo tireoidiano.

Nas palavras do especialista

De acordo com o médico, o CMT é um subtipo de câncer raro que acomete a tireoide, um dos motivos que o levou a desenvolver o artigo. Vide as palavras do especialista:

O nódulo tireoidiano é uma patologia frequente na população adulta e a ultrassonografia da tireoide é o exame de imagem solicitado para avaliação de um paciente que tenha percebido a presença de um nódulo na região da glândula tireoide, a qual está alojada na região anterior do pescoço. A depender das características ultrassonográficas e tamanho do nódulo tireoidiano, uma punção aspirativa com agulha fina (PAAF) do mesmo pode ser indicada para avaliação das características celulares deste nódulo por um patologista. Este método diagnóstico identifica a maior parte dos carcinomas papilíferos (subtipo mais comum de câncer de tireoide). No entanto, para diagnóstico de carcinoma medular de tireoide (CMT), um subtipo de câncer mais raro, este método é pouco sensível (identifica cerca de metade dos casos somente). O exame mais sensível para detecção do CMT no pré-operatório é a dosagem de calcitonina sérica, no entanto, a dosagem da mesma na avaliação de toda doença nodular da tireoide não é uma conduta aceita pela maioria dos especialistas da área, pois o CMT é uma doença rara e resultados falso-positivos podem ocorrer. Sendo assim, muitos pacientes com CMT podem ter uma biópsia do nódulo inconclusiva antes de uma tireoidectomia parcial ou total, caso este procedimento cirúrgico tenha sido indicado pela equipe médica que está assistindo o paciente com o intuito de chegar à conclusão diagnóstica de doença benigna ou maligna através da análise anatomopatológica do produto de tireoidectomia. Diante da preocupação com este fato, publicamos um artigo na revista Archives of Endocrinology and Metabolism sugerindo a dosagem da calcitonina sérica antes da realização da tireoidectomia num subgrupo de pacientes específicos que não tiveram o diagnóstico através da biópsia e que definitivamente serão submetidos à cirurgia por indicação da equipe médica que assiste o paciente. Isto poderia aumentar a chance de diagnóstico pré-operatório deste carcinoma, o que resultaria na possibilidade de investigar previamente à cirurgia outras neoplasias que podem ocorrer nas formas familiares de CMT e, também, planejar uma cirurgia mais adequada para este tipo de neoplasia.