“Eu posso continuar chorando ou lutar contra isso”, conta paciente que teve câncer de mama

Foi durante o autoexame no banho que Tatiana Maia, de 40 anos, sentiu um nódulo no seio e decidiu investigar. Primeiro, buscou um posto de saúde, onde foi encaminhada ao Hospital do Câncer Uopeccan de Cascavel. “Eu achei estranho, porque nunca tinha tido nódulos antes… quando cheguei ao hospital, foram feitos exames de imagem, ultrassom, mamografia e uma biópsia, que constatou o câncer”, relembra a paciente.

O diagnóstico veio no dia 15 de junho de 2021 e, ao receber a notícia, a primeira reação de Tatiana foi chorar. “Sai daqui, liguei para os meus familiares, amigos, fui muito amparada. Eles me ajudaram a passar por esse processo, entender, me permitir chorar. E no outro dia eu falei, eu posso continuar chorando ou lutar contra isso. Então eu escolhi lutar”.

De acordo com a psicóloga da unidade de Cascavel Letícia Rezzadori, esse apoio é mais do que essencial. “A rede de apoio é importantíssima em qualquer que seja a doença ou quadro clínico. No que se refere ao câncer de mama, mulheres representam 99% dos casos, o que pode vir a afetar toda uma dinâmica familiar. Muitas delas se responsabilizam pelos demais entes, administram boa parte das finanças e rotinas domésticas, além das que ainda têm as atribuições da maternidade. Logo, quando diagnosticada, surgem inúmeras preocupações para além da saúde, no entanto, é necessário que a mulher volte a atenção para si mesma, e tenha a quem demandar responsabilidades”.

Quando realizar o autoexame?

O autoexame é uma forma para a mulher conhecer o seu corpo e identificar quando algo não for comum, como detalha a oncologista clínica de Cascavel Juliana Seeber. “É fundamental que a mulher conheça seu corpo. O autoexame, muito além de auxiliar na detecção precoce de tumores, é também uma forma da mulher conhecer seu corpo, suas formas. Por isso, a orientação é que a mulher observe e palpe suas mamas sempre que se sentir confortável para isso. Pode ser no banho, ao trocar de roupa ou em outra situação do seu dia a dia, sem necessidade de aprender a técnica de autoexame ou fazê-lo com certa frequência, pois isso valoriza a descoberta ao acaso de alterações mamárias suspeitas”. Entre os sintomas, estão: caroço, inchaço, secreção papilar, nódulo axilar.

Tatiana finaliza com uma mensagem de apoio a todas as pessoas que enfrentam o câncer. “Não é um processo fácil, mas é possível. A cura existe. Muitas vezes a gente se sente sozinha, por mais que tenha o amparo dos familiares, a luta é nossa. É possível vencer, optar pela vida, pela cura e chegar nesse processo com muita força”.

Agendamento de mamografia

Este mês, é Outubro Rosa, para a conscientização sobre o exame de mama. E na Uopeccan não é necessário trazer um encaminhamento médico do posto de saúde, basta ligar nos telefones (45) 2101-7015 ou (44) 2031-0831 ou agendar pelo site https://outubrorosa.uopeccan.org.br/. O exame é oferecido de forma gratuita o ano todo.