Dia do Psicólogo: ‘mente saudável ajuda durante o tratamento de câncer’

Lidar com os transtornos emocionais, depressão, ansiedade, desânimo, relacionamentos e autoconhecimento já é considerado um desafio. Imagine quando a pessoa descobre que tem câncer e, em muitos casos, é obrigado a enfrentar o medo e a insegurança de não saber como será daqui pra frente? E até que ponto ter uma mente saudável pode colaborar, inclusive, no tratamento oncológico e, por vezes, acelerar as chances de cura?

O Dia do Psicólogo é comemorado nesta sexta-feira (27), e o Hospital do Câncer Uopeccan destaca a importância desse profissional, na atuação do apoio psicológico entre pacientes e familiares. “Buscamos promover acolhimento e minimizar o sofrimento provocado pela hospitalização, lidando diretamente com a subjetividade e auxiliando no controle dos sintomas que comprometem o bem-estar, desmistificando crenças e medos relacionados ao processo de adoecimento, bem como na adaptação e recuperação do paciente”, explicou a psicóloga da Uopeccan de Umuarama, Aline da Silva Freire.

O processo de atendimento do paciente e a família é realizado a partir de encaminhamento da equipe multidisciplinar ou demanda espontânea através do ambulatório, podendo ser individual ou em grupo, respeitando o direito de escolha do mesmo, caso necessário o paciente é encaminhado para acompanhamento em rede de seu município de origem. De acordo com a psicóloga Aline, as emoções influenciam todo o funcionamento do organismo e consequentemente interfere na saúde física e mental. “Esse processo auxilia no autoconhecimento, ajuda a lidar melhor com o turbilhão de emoções que podem surgir com o diagnóstico, seja através da escuta, acolhimento e suporte, bem como contribuindo no controle da ansiedade e sintomas, o que consequentemente melhora sua qualidade de vida, autoestima, e relação consigo e com o mundo”, finalizou.

Diagnóstico e emoções

Diante da descoberta do câncer a mente saudável é um dos fatores que contribui para o desempenho do tratamento. “Buscar manter um psiquismo sadio pode facilitar na elaboração do diagnóstico, assim como encontrar formas de se adaptar a situação mais facilmente, e ainda em alguns pontos pode auxiliar na recuperação mais rápida ou na evitação de sintomas psicossomáticos durante o processo”, orientou a psicóloga hospitalar de Cascavel, Edina Richeski.

A psicóloga Ana Carolina Mantovani explica que cada indivíduo assimila o diagnóstico de uma forma diferente, com isto, nem todo paciente precisa de assistência ao receber o resultado do exame, da mesma forma ocorre durante o tratamento. Já em outras situações esse apoio é fundamental, “em alguns casos pode haver dificuldade do paciente na aceitação diagnóstico oncológico, procedimentos médicos ou de outros fatores, podendo apresentar angústias e resistências em assumir aquela doença como sua, e também apresentar dificuldades de lidar com os processos exigidos no tratamento”, finalizou.