Dia do Oncologista: profissionais reforçam importância do aprendizado constante

O Dia do Oncologista é comemorado neste dia 9, como forma de parabenizar e agradecer aos profissionais que lidam, diariamente, com diversos pacientes, histórias de vida e emoções.

O profissional especializado na área possui uma formação técnica para realizar o diagnóstico e o tratamento de pacientes com tumores sólidos ou de origem hematológica, e atende desde pacientes com suspeita de diagnóstico de câncer, até aqueles com o diagnóstico confirmado. Além de propor o tratamento mais adequado para cada caso, como cirurgia, radio ou quimioterapia ou uma associação dos três.

“Em geral, os pacientes são encaminhados para nós com uma suspeita clínica. Com a chegada, o primeiro passo é confirmar através de uma biópsia para conseguir o diagnóstico histológico do tecido tumoral e na sequência definir o estágio que esse tumor se encontra”, explica o cirurgião oncológico Francisco Guilherme Fernandes, da unidade de Umuarama.

Ele detalha também que a decisão do tratamento de um paciente é realizada com um grupo de oncologistas, radioterapeutas, oncologistas clínicos cirúrgicos, médicos clínicos, além de uma equipe multidisciplinar.

A oncologista clínica Juliana Seeber, da unidade de Cascavel, completa a fala: “O oncologista é um médico que atende o paciente como um todo. Não trata só o câncer, trata o paciente. Também é muito importante levarmos a parte espiritual em conta, porque a espiritualidade e o câncer andam juntos”.

Tecnologia como aliada para o tratamento contra o câncer

Além de uma equipe especializada, outro fator que faz a Uopeccan ser referência no tratamento contra o câncer é a tecnologia utilizada. “Felizmente a oncologia avança diariamente, não apenas com exames e diagnósticos, mas também os tratamentos: quimioterapia, imunoterapia, hormonioterapia… são vários disponíveis para o atendimento do nosso paciente. Precisamos também contar com exames de ponta: ressonância, pet scan, tomografia, ultrassom, mamografia. O diagnóstico requer uma equipe ampla e exames amplos”, afirma doutora Juliana Seeber.

Atualmente fazendo uma especialização em cirurgia robótica torácica, doutor Francisco Fernandes, evidencia o avanço que esse tipo de abordagem oferece: “Buscando ter menos invasão ao paciente, o tratamento minimamente invasivo está ganhando espaço nos serviços do mundo todo, como a cirurgia robótica, que permite acessar lugares que antes a gente não conseguia com a cirurgia convencional e trouxe uma visão tridimensional dessas lesões, permitindo que o cirurgião tenha mais precisão na hora da abordagem e também uma recuperação mais acelerada aos pacientes”.

Oncologistas: profissionais se sentem gratos

Apesar dos desafios diários da profissão, os médicos compartilham um sentimento: gratidão.

“Eu sou uma profissional realizada, porém não completa, porque sempre busco mais. Mas a oncologia é uma área muito gratificante. Requer aprendizado e estudos diários. Cada paciente que passa pelo meu consultório deixa uma marquinha na minha vida e algum tipo de aprendizado”, descreve doutora Juliana.

Doutor Francisco, que iniciou no hospital ainda na unidade de Cascavel, relembra a evolução que a Uopeccan teve como um todo: “É muito gratificante fazer parte dessa instituição que nos acolheu há mais de 10 anos e ver a evolução que ela teve, no atendimento ao paciente, atendimento humanizado que é feito por toda a equipe. É um hospital que não mede esforços para conseguir os recursos para que a gente tenha um atendimento cada vez mais preciso. Hoje, com a alta tecnologia que a saúde tem oferecido, é permitido que nós façamos diagnósticos mais precisos, tratamentos menos invasivos e com resultados de cura muito elevados”.

Principais sintomas

Neste dia do oncologista, o alerta também fica para manter uma rotina de vida saudável e ficar atento aos sinais que o corpo dá, como explica a oncologista Juliana Seeber. “O câncer é uma doença heterógena: não entra dentro de uma caixinha só. Ele pode ser silencioso e não se manifestar em forma de sintomas. Mas pode causar dor, como em alguns tumores ósseos, pode causar sangramento, lesões de pele, nos casos de câncer de melanoma e não melanoma, pode causar emagrecimento, os sintomas são muito variáveis”.