Transplante de Medula Óssea

Manual de orientações pré e pós transplante de células-tronco hematopoiéticas

Este manual educativo visa orientar o paciente e seus familiares sobre o procedimento de Transplante de Células Tronco Hematopoiéticas –  TMO/Autólogo. É importante que o paciente e familiares tenham informações sobre as rotinas da unidade e as fases pelas quais passará, para que compreendam a importância das medidas de cuidados e de isolamento, adotados, podendo desta forma contribuir para o tratamento, bom funcionamento e organização da unidade.

As orientações e esclarecimentos de dúvidas, serão realizados pela equipe de profissionais da Unidade de TMO Autólogo, a qual prestará cuidados diretos ao paciente.

Antes do transplante de células-tronco hematopoiéticas:

Após o atendimento médico inicial, o paciente conhecerá todos os profissionais que estarão envolvidos no processo de transplante: médicos, odontologistas, enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, assistentes sociais. Esta equipe multriprofissional lhe acompanhará durante todas as fases do transplante.

O paciente será encaminhado ao Hemocentro de Cascavel para que sejam organizadas as doações de sangue necessárias para o tratamento.

É importante seguir as orientações fornecidas por estes profissionais para que obtenha bons resultados no tratamento.

 

O que é Medula Óssea?

A medula óssea é um tecido esponjoso mole, localizado no interior dos ossos longos. É nela que o organismo produz praticamente todas as células do sangue: glóbulos vermelhos (células que levam oxigênio dos pulmões para todo o nosso organismo), glóbulos brancos (que contemcélulas de defesa) e plaquetas (células que ajudam a parar sangramentos e evitar hemorragias), tendo como função a produção e liberação constante de células para manutenção das atividades fisiológicas do organismo conforme suas necessidades.

O que é o Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas ou Transplante de Medula Óssea?

É um procedimento médico que se assemelha a uma transfusão de sangue em condições especiais. As células que foram retiradas do paciente, são recolocadas através do cateter para que originem novas células sanguíneas.

O Transplante de células-tronco hematopoiéticas tem duas formas clássicas:

Autólogo: Quando as células-tronco utilizadas são do próprio paciente;

Alogênico: quando as células-tronco utilizadas são de um doador da família ou não.

No Hospital Uopeccan de Cascavel, é realizado o Transplante Autólogo de Células-Tronco Hematopoiéticas.

O Transplante de Células-Tronco Hematopoiéticas e suas fases:

  • Mobilização:é a administração de injeção chamada de fator estimulador de colônias de células (Filgrastina – G-CSF), que extrai as células-tronco da medula óssea e elas saem em direção ao sangue periférico. Após um período determinado pelo médico (entre 4 a 7 dias) é realizado um exame laboratorial de dosagem de CD34 que indicará se o paciente poderá ou não fazer a coleta das células-tronco.
  • Implante de cateter venoso central semi-implantável: para a próxima fase (Aférese) é importante que o paciente tenha um bom acesso venoso. A enfermeira avaliará o acesso venoso do Se necessário, o médico indicará o implante do cateter venoso central. Este procedimento é feito na Ala ou no Centro Cirúrgico, sob sedação, onde será introduzido um cateter especial em uma veia calibrosa (geralmente subclávia) na porção superior do peito.
  • Coleta das células-tronco: Também chamada de aférese.Aférese: é o procedimento pelo qual as células-tronco que migraram para o sangue periférico são coletadas através do acesso venoso periférico de ambos os braços, ou de um cateter venoso central, ligados a uma máquina especial. A máquina separa exclusivamente as células-tronco devolvendo ao paciente o restante dos componentes sanguíneos. Cada sessão dura aproximadamente cinco horas ou mais, algumas vezes necessário mais que uma sessão para que seja obtido um número necessário de células.
  • Congelamento:Processo pelo qual as células coletadas, são manipuladas visando mantê-las conservadas e adequadas, para o congelamento a -80ºC, até o momento do Transplante. Depois de congeladas estas células tem validade de 3 anos.Todo este processo é realizado pelo Farmacêutico que compõe a equipe.
  • Internamento: será realizado o mais breve possível após a aférese e o paciente receberá orientações das rotinas da unidade de internamento. Será um período aproximado de 21 a 30 dias.

Fases do Internamento:

Implante de cateter venoso central semi implantável: para que seja feito o transplante é necessário a colocação de um cateter chamado de Hickman, através dele o paciente receberá soro, medicações, quimioterapia e também as células tronco serão infundidas nele.

    • Pré-transplante:é o período em que o paciente receberá intensa hidratação via endovenosa e fará o condicionamento da medula óssea através de quimioterapia de alta dose. O número de dias de quimioterapia dependerá do protocolo médico, conforme a doença do paciente.
    • Transplante: é a infusão das células tronco hematopoiéticas pelo catéter como se fosse uma transfusão sanguínea especial.
    • Pós Transplante:são os dias após o transplante. É o período que inicia (corresponde) a aplasia medular, que é um efeito colateral da quimioterapia em altas doses. Este termo significa que não há nenhuma medula funcionando, ou seja, ela foi eliminada pela quimioterapia e as células tronco infundidas ainda não cresceram – dura entre 14 a 21 dias. Esse período é o momento em que o paciente está sem defesas contra infecções (leucócitos baixos), com risco de hemorragias (plaquetas baixas) e risco de anemia (glóbulos vermelhos baixos).

    Nesta fase, além da incapacidade da medula produzir células novas (aplasia medular), pode acontecer outros efeitos causados pela quimioterapia como: queda de cabelo, náuseas, vômitos, diarréia, ressecamento da pele, lesões na boca, aumento da saliva, dor para engolir os alimentos, prisão de ventre, falta de apetite, etc… Lembrando que todos estes sintomas podem ou não ocorrer, pois o organismo de cada pessoa reage de uma forma diferente.

    O paciente será medicado conforme os sintomas que estiver apresentando e será acompanhado quanto as necessidades de readequação de doses ou mudanças de medicamentos para o alívio dos sintomas como náuseas, vomito e dor.

    Serão realizados diariamente exames para verificar a contagem de glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas, com a finalidade de verificar a necessidade de transfusões sanguíneas.

    A alta hospitalar será definida pelo médico quando houver a recuperação da função medular.

O QUE TRAZER PARA INTERNAR?

  • 1 par de chinelos de borracha;
  • 1 escova de dentes macia;
  • 1 pasta de dente infantil;
  • Roupas íntimas;
  • Sabonete neutro;
  • Meias.

Caso queira trazer outros objetos converse com a enfermeira responsável pela unidade.

QUAIS OS HORÁRIOS DE VISITA?

A visita é diária. O horário é das 14h às 17h.

Não poderá visitar o paciente, quem estiver gripado ou com resfriado, com febre, ferida infectada no corpo ou com qualquer doença contagiosa.

Cuidados após a alta hospitalar da Unidade de Transplante de Células Tronco Hematopoieticas 

Quando o paciente receber alta hospitalar, suas células de defesa do organismo estarão se recuperando ainda, por isso algumas medidas de cuidados deverão ser adotadas com intuito de prevenir infecções.

 

Preparando a casa para receber o paciente:

A casa deve estar sempre limpa, evitando o acúmulo de pó, mofo ou qualquer sujidade.

O paciente nunca deve permanecer no cômodo que está sendo limpo e, de preferência, deve colocar máscara durante a limpeza da casa.

Quartos:

Utilizar água e vinagre para limpar ou lavar sofás, poltronas de tecido, poltronas fixas, tapetes e carpete, pisos ou assoalhos, colchão e estrado da cama.

Lavar as paredes com água e sabão e passar um pano com água e vinagre.

Lavar cobertores, acolchoados e colchas antes do paciente retornar para casa.

*** Preparo da água com vinagre: – Duas colheres de vinagre para um copo de água.

Cozinha:

Lavar e enxaguar com água fervente os pratos, talheres, copos e demais utensílios que o paciente utilizará, separando dos demais em potes plásticos bem limpos e com tampa.

Banheiro:

Diariamente deve ser lavado e desinfetado, usando água, sabão e desinfetante ( tipo pinho sol);

Se o banheiro não for exclusivo do paciente, é importante limpar o assento do vaso sanitário com água e sabão ou álcool 70% antes do uso.

 

Como deve ser feita a higiene corporal?

Banho:

Tomar banho e lavar a cabeça no mínimo uma vez por dia com sabonete neutro. O banho de chuveiro é o mais indicado.

Não usar talco, perfume ou desodorante, pois eles contêm álcool e/ou produtos químicos que podem causar reações na pele.

Higiene íntima:

Realizar higiene na região anal e órgãos genitais (Pênis/Vagina) toda vez que ir ao banheiro, utilizando papel higiênico branco, macio e sem perfume.

Caso apresente dor, vermelhidão e/ou feridas no ânus, pênis, bolsa escrotal ou vagina, procure orientações médicas ou de enfermagem.

Mãos:

Lavá-las sempre antes e depois de alimentar-se e de ir ao banheiro. Usar sabonete neutro e secar bem.

Higiene Oral:

Escovar os dentes com escova do tipo extra macia e creme dental não abrasivo (o mesmo que você usou no seu internamento) sempre, ao acordar pela manhã, após cada refeição e antes de deitar. É importante secar bem a escova dental após a higiene, e a mesma deve ser guardada em uma caixinha separada das demais escovas dos familiares.

Se você apresentar feridas, sensibilidade ou sangramentos na mucosa oral, é necessário que você faça bochechos com chá de camomila ou chá de malva, pois as mesmas facilitam a cicatrização. Utilize somente soluções enxaguatórias prescritas pelo médico ou pelo odontologista.

 

CUIDADOS COM AS ROUPAS:

  • Para lavar as roupas na máquina de lavar deve-se lavar separadamente as roupas do paciente das roupas dos outros familiares.
  • Trocar roupas íntimas (calcinhas, cuecas e meias) pelo menos uma vez por dia.
  • Trocar diariamente toalhas de rosto, banho e roupas de cama.
  • Após a lavagem, passar bem a roupa por fora e por dentro com ferro quente;
  • Utilizar produtos neutros para lavar as Podem ser aqueles utilizados para lavar roupas de bebê. Não usar amaciantes, alvejantes e outros produtos químicos durante a lavagem.

 

RELAÇÕES SEXUAIS?

  • Pode ter relações sexuais, desde que a contagem de plaquetas esteja acima de 000, para evitar sangramentos na vagina ou no pênis.
  • O cansaço após o transplante é comum e pode provocar algum impacto na vida Tenha paciência. Também poderão ocorrer algumas alterações hormonais, como diminuição da umidade vaginal, dificuldade de ereção, etc. Um diálogo franco e aberto com seu companheiro, sem omitir os sentimentos, desejos e dificuldades é fundamental para manter o equilíbrio da relação durante este período de maiores dificuldades. Lembre-se que essas alterações são transitórias.
  • O paciente, ou o seu parceiro, deve usar sempre preservativo (camisinha) lubrificado à base de água.
  • Evitar manter relações sexuais com pessoas desconhecidas.
  • Qualquer alteração do hábito sexual (dor, sangramento…) deve ser comunicado na consulta médica ambulatorial.
  • O beijo é liberado, desde que o paciente, ou seu parceiro, não tenha infecções ou feridas na boca.
  • O sexo oral pode ser praticado, desde que o parceiro não apresente nenhuma infecção ou ferida na região genital e a higiene seja adequada, ou que o paciente não tenha ferida na cavidade oral.
  • O sexo anal não deve ser praticado enquanto não houver estabilidade das plaquetas devido ao risco de sangramento, fissura anal, hemorróida, diarréia ou lesões.
  • Para ressecamento vaginal poderá ser utilizado lubrificante à base de água.
  • É comum a esterilidade temporária ou mesmo Assim, é aconselhável utilizar alguma forma de contracepção.

 

QUANDO USAR A MÁSCARA?

  • Toda vez que sair de casa;
  • Toda vez que receber visitas;
  • Toda vez que alguém em casa estiver com gripe, febre…
  • Durante os primeiros 120 dias após o TMO.

 

RECEBER VISITAS?

  • Pode receber, desde que sejam poucas pessoas a cada dia e que não estejam com gripe, febre, coriza ou alguma outra infecção.
  • O paciente não deve receber os visitantes em seu quarto.
  • Evitar contato com animais domésticos e plantas.

 

SAIR DE CASA?

  • Pode, mas evitar ambientes aglomerados como shopping, ônibus, cinema, supermercado…
  • É importante manter atividades físicas leves como Evitar esportes como futebol, vôlei e natação.

 

OBJETOS DE USO PESSOAL:

Não deve ser usado:

  • Maquiagem, cosméticos, desodorante com álcool, cremes depilatórios e perfumes, ao menos nos primeiros 60 dias após o transplante;
  • Lâminas de barbear só devem ser usadas quando a contagem de plaquetas estiver acima de 50.000;
  • Usar somente lenço de papel que não contenha perfume;
  • Hidratantes devem ser usados apenas com liberação de seu médico ou da equipe de enfermagem da Unidade de Transplante de Células Tronco Hematopoiéticas do Hospital do Câncer – UOPECCAN.

 

CUIDADOS ESPECIAIS:

Entrar em contato com a Unidade de Transplante de Células Tronco Hematopoiéticas do Hospital do Câncer – UOPECCAN, caso o paciente apresente qualquer sintoma abaixo relacionado.

  • Sinais de sangramento nasal, gengival e hematomas constantes;
  • Febre, quando a temperatura corporal estiver igual ou maior que 37,8 ºC – Verifique sua temperatura pelo menos uma vez por dia.
  • Alterações de hábitos intestinais (obstipação ou diarréia), vesicais (dor, ardência ou presença de sangue na urina) e gástricos (dor abdominal, cólicas, vômitos).
  • Feridas ou vesículas em mucosas e na pele, pele amarelada ou órbita ocular amarelada (olho amarelado).
  • Falta de ar, cansaço, dor no peito, tosse, dor de cabeça e tontura.
  • Coceira e irritação nos o
  • Preste muita atenção em você mesmo, no banho, ou ao escovar os dentes, examine-se, olhe sua pele e todas as partes do corpo.

 

ORIENTAÇÕES DA NUTRIÇÃO:

As principais recomendações são:

  • Não consumir alimentos crus (caldo de cana, água de coco in natura, sucos de polpa, alimentos crus, leite não pasteurizado e queijos crus) até recuperação leucocitária.
  • Consumir frutas de casca média a grossa (melancia, melão e banana).
  • Outras frutas e vegetais consumidos crus devem ser higienizados com sanitizante para vegetais.
  • Consumir água mineral para evitar problemas de purificação que ocasionalmente ocorrem com os filtros de água.
  • Os alimentos industrializados, após abertos,não devem ser consumidos.
  • Deve-se preferir o consumo destes em embalagens individuais ou desprezar o restante do alimento após aberto.
  • Frios com presunto e queijo, comprar preferencialmente em peças inteiras e lacradas. Consumi-los somente após aquecimento.
  • Nunca consumir ovos crus ou mal passados, sendo importante atentar para preparações que contenham em sua composição a gema ou a clara do ovo cru.
  • As carnes devem ser bem cozidas, sendo importante não consumi-las sob a forma mal passada ou crua, inclusive defumados como a salsicha.
  • Consumir legumes e verduras sempre cozidas, evitando os alimentos crus.
  • Temperos desidratados não devem ser consumidos sem cocção, como orégano e canela em pó.
  • Não consumir salgadinhos tipo chips e bolacha recheada.
    Consumir gorduras com moderação.
  • Ingerir 3 porções de frutas e hortaliças/dia.
  • No caso de náuseas/enjoo, consuma alimentos em temperatura gelada, como sucos e água de coco industrializados, sorvete pasteurizado, milk-shake (preparado com leite de caixinha) e chá de gengibre. O consumo de cubinhos de gelo e biscoito salgado também auxilia na melhora da sintomatologia. Nunca consuma grandes quantidades de alimento de uma única vez, e sempre, após alimentar-se, permaneça sentado por cerca de 30 minutos.
  • No caso de diarréia, consuma mingau de amido de milho e suco de casca de maçã. Se os sintomas não melhorarem procure orientação nutricional.
  • No caso de intestino preso, consuma chá de ameixa seca, aveia, suco de laranja e mamão e beba cerca de 2 litros de água mineral/dia.