Radioterapia

Sublogo_Radioterapia-pequena

As novas tecnologias  são ferramentas muito bem vindas para oncologistas e profissionais da saúde. Na radioterapia, recursos de última geração são primordiais para os pacientes que necessitam dessas inovações para realizar o tratamento.

Técnicas de tratamento disponíveis

• Arcoterapia Volumétrica Modulada (VMAT)
• Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT)
• Radioterapia Guiada por Imagem (IGRT)
• Radiocirurgia e Radioterapia Estereotáxica fracionada
• Radioterapia Conformacional Tridimensional
• Braquiterapia de Alta Taxa de Dose (HDR)
• Radioterapia Convencional
• Radioterapia Superficial com Ortovoltagem
• Radioterapia Superficial com Elétrons

Equipamentos:
• Clinac iX
Feixes de fótons de 6 e 15 MV e elétrons até 18 MeV
• Clinac 600C
Feixe de fótons de 6 MV
• GammaMed
Braquiterapia de Alta Taxa de Dose (HDR) com fonte de Irídio-192
• Maximar
Feixes de ortovoltagem de 80 até 140 KV

Equipe Multidisciplinar:

Médicos Radioterapeutas:
• Dra. Vanessa Ishisato Mercante– Responsável Técnica
• Dr. Geser Vinicius Silva Soares
Físicos Médicos:
• Gustavo Max Dearo Simonetti – Supervisor de Radioproteção
• Enio Yoiti Honda
Dosimetrista:
• Larissa Carolina da Rosa Lago
Enfermeira:
• Simony Vanessa dos Santos Saraiva

Arcoterapia Volumétrica Modulada (VMAT)

(Disponível na unidade de Cascavel)

O VMAT é a técnica de irradiação com aceleradores lineares mais avançado no mundo atualmente. É a evolução do IMRT, que por sua vez, é mais avançado que a técnica Conformacional 3D.

A técnica VMAT (ou RapidArc©) consiste no tratamento com feixe de radiação ionizante com intensidade modulada sendo aplicado em arco. O acelerador linear gira ao redor do paciente, podendo ser 1 ou 2 voltas completas, ou até mesmo em semi-arcos, não sendo necessário a volta completa. O feixe tem a intensidade modulada pelo colimador multi-lâminas que bloqueia de forma controlada a passagem da radiação para cada ângulo, ou seja, quantidades diferentes de dose são entregues em cada posição do equipamento, variando-se a região bloqueada e a que irá receber o feixe, durante a execução do arco. Isso torna possível concentrar altas doses de radiação no volume tumoral, e ao mesmo tempo, poupando órgãos e tecidos sadios.

O VMAT e o IMRT, que também utiliza feixes com intensidades moduladas, são semelhantes na capacidade de concentrar altas doses no tumor, e a poucos milímetros conseguem reduzir drasticamente a dose em órgãos saudáveis, diminuindo significativamente as probabilidades de efeitos colaterais. A diferença entre as técnicas é que o VMAT utiliza o acelerador linear girando ao redor do paciente, e o IMRT utiliza de 5 a 9 campos com incidências estáticas ao redor do paciente. Ambas as técnicas são as mais eficazes na redução dos efeitos colaterais, comparados com a radioterapia conformacional tridimensional.

Com estas técnicas, é possível tratar qualquer tipo de tumor com indicação de Radioterapia. Por exemplo, cânceres de mama, próstata, cabeça e pescoço, cerebrais, pulmão e esôfago podem ser tratados com VMAT e IMRT. Estas tecnologias também são empregadas para a realização dos tratamentos de Radiocirurgia e Radioterapia Estereotáxica Fracionada.

O tempo de execução do VMAT varia entre 2 a 5 minutos, sendo hoje, o mais rápido.

O uso do IGRT agregado a este tratamento garante que a complexa distribuição de dose seja entregue no local exato onde foi planejado.

 

Radioterapia de Intensidade Modulada (IMRT)

(Disponível na unidade de Cascavel)

O IMRT é a evolução do tratamento com Radioterapia Conformacional 3D, sendo mais capaz de poupar tecidos sadios que este segundo tipo. Para muitos casos em que, mesmo utilizando a técnica Conformacional 3D, não é possível atingir todos os objetivos de poupar os órgãos sadios envolvidos, o emprego desta tecnologia é necessário.

A técnica IMRT consiste na aplicação da dose de radiação ionizante através de feixes com intensidades moduladas. Podem ser utilizados entre 5 e 9 campos, cada um deles com diferentes ângulos de incidência no paciente. Diferente do VMAT, o acelerador linear permanece estático durante cada campo de tratamento, sendo variada a abertura das lâminas do colimador multi-lâminas, que bloqueia a passagem da radiação. Durante a execução do tratamento, o colimador multi-lâminas controla a posição onde irá bloquear, variando a abertura com tempos diferentes para cada área a ser irradiada. Desta forma, o resultado de cada aplicação diária e a alta concentração de dose no volume tumoral, poupando os órgãos sadios localizados nas proximidades.

Devido à essa capacidade de concentração de altas doses em volume tumoral e baixas doses em órgãos sadios, os efeitos colaterais são reduzidos, comparando-se com os tratamentos Conformacionais 3D.

O uso do IGRT agregado a este tratamento garante que a complexa distribuição de dose seja entregue no local exato onde foi planejado.

 

Radioterapia Guiada por Imagem (IGRT)

(Disponível nas unidades de Cascavel e Umuarama)

Diferentemente do VMAT e IMRT, o IGRT não é uma técnica de tratamento. Ela consiste numa técnica de verificação da posição do paciente guiada por de imagens radiológicas feitas segundos antes de iniciar a aplicação da radiação. Qualquer variação milimétrica é detectada e corrigida antes do início do tratamento.

Esta técnica de verificação pode ser empregada em conjunto com todos os tratamentos radioterápicos no acelerador linear, assegurando a correta execução, independente de que técnica de tratamento for empregada, seja, VMAT, IMRT ou Radioterapia Conformacional Tridimensional.

Essa verificação se torna extremamente importante principalmente para os casos onde o tumor está localizado em regiões com órgãos sadios sensíveis à radiação. Como a distribuição de dose das técnicas VMAT e IMRT são muito complexas, as variações da posição do paciente devem ser milimetricamente corrigidas.

 

Radiocirurgia e Radioterapia Estereotáxica fracionada

(Disponível na unidade de Cascavel)

O tratamento de tumores cerebrais pequenos e sem indicação de cirurgia pode ser feito usando a técnica de Radiocirurgia. Ela consiste na irradiação de toda a dose de tratamento em uma única aplicação, ou podendo ser subdividida em até 5 frações, 1 vez por dia, completando o tratamento em apenas uma semana.

Entre as características principais desta técnica, uma delas é o uso de doses de radiação muito altas concentradas num pequeno volume que envolve o tumor. Isso exige que o paciente seja imobilizado de forma rígida, sem possibilidade de movimentação durante a execução do tratamento. Num método de imobilização não invasivo, máscaras termoplásticas reforçadas são utilizadas para prender a cabeça do paciente à mesa de tratamento. Para garantir a posição correta do paciente, para que a dose alta não seja entregue em regiões sadias do cérebro, a técnica de verificação IGRT é utilizada junto com este procedimento. Isso garante a precisão milimétrica desta técnica. Assim, variações pequenas são corrigidas antes do início da irradiação no acelerador linear.

Pode ser empregada para alguns tumores cerebrais primários e também em metástases cerebrais de outras regiões do corpo. Por exemplo, metástases cerebrais de um tumor de pulmão podem ser tratadas com Radiocirurgia.

Nos casos em que o tumor ou a metástase se encontra adjacente (menos de 5 mm) a uma estrutura crítica nobre, como o quiasma óptico ou um nervo óptico, o risco de um dano nesta região pode ser alto. Nestes casos, a indicação é de fracionar a dose para até 30 aplicações, reduzindo ou, como em muitas vezes, eliminando o risco de danos irreversíveis. Esta técnica leva o nome de Radioterapia Estereotáxica Fracionada.

 

Radioterapia Conformacional Tridimensional

(Disponível nas unidades de Cascavel e Umuarama)

Também conhecida como Radioterapia Conformacional 3D, é a técnica em que o planejamento do tratamento utiliza imagens de tomografia computadorizada para delimitar o tumor e os órgãos e tecidos sadios envolvidos em cada caso. Num computador avançado com o sistema de planejamento, o paciente é reconstruído virtualmente através dessas imagens tomográficas e isso permite que sejam feitas simulações virtuais do tratamento. São testadas condições de irradiação do paciente para que o tumor receba a dose prescrita e os órgãos sadios não tenham suas doses de tolerância ultrapassadas. Somente após este estudo e a obtenção do melhor tratamento possível para cada caso, as aplicações podem ser feitas pela equipe.

É um tratamento muito eficaz para vários tipos de câncer, como Mama, Próstata, Colo de Útero, tumores de Cabeça e Pescoço, tumores cerebrais, Pulmão, Esôfago, Estomago e etc.

Em alguns casos, mesmo usando essa técnica, não é possível poupar de forma adequada todos os órgãos e tecidos sadios, principalmente quando estão muito próximos (poucos milímetros de distância) ou, principalmente, quando estão envolvidos pelo tumor. Nestes casos, a indicação é que seja feita uma técnica mais avançada que a Conformacional 3D, como as técnicas VMAT, IMRT e Radiocirurgia ou Radioterapia Estereotáxica fracionada.

 

Braquiterapia de Alta Taxa de Dose (HDR)

(Disponível na unidade de Cascavel)

O Braquiterapia de Alta Taxa de Dose é o tratamento onde se utiliza um fonte de radiação dentro e/ou em contato com o tumor. O médico radioterapeuta insere aplicadores que ficam em contato com a doença, dentro do corpo do paciente durante a execução. Um exemplo é o tratamento de câncer de Colo de Útero, onde são inseridos os aplicadores dentro do útero da paciente.

Os aplicadores são tubos finos que permitem a passagem da fonte radioativa de irídio-192 (Ir-192) que é comandada pelo equipamento de tratamento, chamado robô. Num sistema de planejamento avançado, são feitos os cálculos para que a doença receba a dose adequada, e ao mesmo tempo, não exceda as doses de tolerância, como da bexiga e do reto da paciente com câncer de Colo de Útero. Após essa etapa, o equipamento envia a fonte radioativa por dentro dos aplicadores e faz com que ela permaneça o tempo necessário dentro do tumor ou em contato para produzir um tratamento bastante eficaz.

Esta técnica de tratamento geralmente é complementar ao tratamento com radioterapia externa, que pode ser Radioterapia Conformacional Tridimensional (3D), IMRT ou VMAT. Mas pode ser também o tratamento exclusivo, de acordo com indicação médica.

O tempo de tratamento pode variar de acordo com o decaimento da fonte em uso no momento da aplicação, porém a média é de 15 minutos. Podem ser feitas de 1 a 2 vezes por semana, até completar 4 frações.

 

Radioterapia Convencional

(Disponível nas unidades de Cascavel e Umuarama)

A Radioterapia Convencional, também conhecida como Radioterapia 2D, é o tratamento onde o planejamento é feito baseando-se em radiografias feitas em simuladores ou no próprio Acelerador Linear. Através da imagem obtida, podem ser delimitadas áreas a serem protegidas, baseando-se na visualização de estruturas ósseas. Com essa tecnologia, não é possível a proteção de órgãos não visíveis numa imagem radiográfica. Por exemplo, num tratamento de câncer de próstata, dificilmente será feita proteção adequada ao reto e à bexiga utilizando-se apenas a radiografia, mesmo com o uso de material contrastante.

Em alguns casos onde não existe risco de exposição de algum órgão crítico a uma dose alta, como por exemplo, no tratamento de mama ou no tratamento de algumas metástases, esta tecnologia pode ser bem empregada. Por ser um tratamento menos complexo para planejar, torna-se uma alternativa para início rápido.

 

Radioterapia Superficial com Ortovoltagem

(Disponível na unidade de Cascavel)

A Radioterapia Superficial com Ortovoltagem utiliza feixes de raios-X de baixa energia para tratar tumores de pele, como carcinomas, e outras doenças e formações benignas superficiais, como por exemplo, a quelóide.

A principal característica dos feixes de raios-X com energias entre 80 KV e 140 KV é o baixo poder de penetração no tecido humano. Ou seja, a dose da radiação ionizante se concentra toda até uma profundidade de cerca de 5 mm. Portanto, torna-se muito interessante para tratar as doenças de pele.

 

Radioterapia Superficial com Elétrons

(Disponível nas unidades de Cascavel e Umuarama)

A Radioterapia com feixes de elétrons de energias entre 6 MeV e 18 MeV são indicados para tratar tumores de pele ou superficiais, com profundidades máximas de aproximadamente 6 cm. Esse tipo de feixe tem a característica de entregar a dose terapêutica até uma profundidade limitada, decaindo a quantidade rapidamente poucos milímetros após essa região. Quanto maior a energia do feixe utilizada, maior é a profundidade tratada.

Por exemplo, um tumor de pele, que se limita a até 1 cm de profundidade, pode ser bem tratado com um feixe de energia 6 MeV. Já um tumor que se localiza logo abaixo da pele e se estende até uma profundidade de 6 cm, deverá ser utilizado um feixe de energia igual a 18 MeV.