Centro Avançado do Fígado

O Centro Avançado do Fígado do Hospital Uopeccan de Cascavel tem por missão diagnosticar, tratar e acompanhar pacientes com tumores do fígado de maneira multidisciplinar e atualizada, procurando obter os melhores resultados possíveis em termos de sobrevida e qualidade de vida para os pacientes portadores de neoplasia hepática.

São várias as doenças que podem atingir o fígado. Dentre as principais doenças que podem atingir o fígado está a cirrose por hepatites crônicas. Dentre as causas de hepatite crônica destacam-se a viral (principalmente B e C), auto-imune ou causada pela reação ao álcool. Outros tipos de doenças do fígado são menos frequentes, como: doenças metabólicas, genéticas, infiltrativas, colangiteesclerosante, cirrose biliar primária e atresia das vias biliares.

A biópsia hepática consiste na extração de uma pequena amostra do fígado para seu exame ao microscópio por um especialista (patologista). Esta técnica é utilizada habitualmente para diagnosticar doenças e tumores do fígado.  Este procedimento pode ser realizado percutâneo, por videolaparoscopia, transjugular ou por laparotomia.

A hepatectomia é considerada como uma das mais difíceis e desafiadores operações cirúrgicas. A primeira ressecção hepatica eletiva bem sucedida foi realizada por Langenbuch em 1888. Em 1908, um grande avanço técnico ocorreu com Pringle, que estabeleceu os princípios de controle vascular do fígado. Contudo o verdadeiro marco na cirurgia hepática ocorreu com COUINAUD em 1957, que descreveu a anatomia portal segmentar do fígado, orientando as ressecções.

Os princípios das ressecções segmentares e sub-segmentares, técnicas da ecografia intra-operatória, controle vascular e ressecções vasculares são refinamentos que proporcionaram um grande desenvolvimento na técnica cirúrgica das hepatectomias.Com os refinamentos destas técnicas, seleção dos pacientes, otimização da anestesia e cuidados pós-operatórios adequados, houve uma melhoria significativa nos resultados cirúrgicos das hepatectomias. Atualmente, a taxa de mortalidade das ressecções de fígado é inferior a 5% e taxas de transfusão sanguínea entre 6,2% e 49%.

Dificuldades particulares surgem nas ressecções hepáticas quando na presença de cirrose hepática, com consequente déficit funcional do parênquima remanescente, ressecções de tumores das vias biliares, devido obstrução e infecção biliares concomitantes, tumores envolvendo as estruturas vasculares do hilo hepático, veias supra-hepáticas e lobo caudado.

Após cumprir todos os requisitos estabelecidos pelo SNT (Sistema Nacional de Transplante) do Ministério da Saúde, o Hospital Uopeccan está oficialmente credenciado para realizar transplantes de fígado. A notícia foi publicada no dia 17 de julho de 2017, no Diário Oficial da União, por meio da Portaria nº 1.190. Com o credenciamento, o Hospital espera atender parcela dos pacientes que necessitam do transplante hepático. “A vantagem de termos o Centro Avançado do Fígado em Cascavel ultrapassa a região Oeste. Poderemos atender melhor os pacientes das regionais de saúde (5ª, 7ª, 8ª, 9ª, 10ª, 11ª, 12ª e 20ª), oferecendo mais comodidade e praticidade para que eles realizem exames e tratamentos”, indica o médico doutor Luis Bredt, coordenador do Centro Avançado do Fígado do Hospital Uopeccan.

A implantação do Centro começou há cerca de cinco anos e, até agora, uma série de itens exigidos pelo Ministério da Saúde foi garantida pelo Hospital a fim de oferecer mais segurança ao paciente e, também, ao profissional que vai atuar no centro. “Tivemos que trabalhar com um conjunto ligado a estrutura, assistência radiológica e laboratorial, melhoramentos na UTI e recrutamento de equipe capacitada na área”, explica o médico.

Com isso, ganha o paciente e ganha o setor da saúde. “O fígado é um órgão muito complexo e tem muitas funções como a digestiva, imunológica, metabólica e de processamento das toxinas do corpo. O Centro Avançado do Fígado vai proporcionar cuidado mais intenso e focado neste órgão. É um passo muito importante para integrar o interior do Paraná ao tratamento hepático”, esclarece dr. Luis Bredt.

 

Transplante

O transplante hepático é uma cirurgia que consiste na retirada do fígado doente de um paciente para a colocação de um fígado saudável, podendo ser retirado por inteiro de um doador com morte encefálica declarada ou um fragmento de fígado de um doador vivo. Alguns dos motivos que levam ao transplante são a cirrose hepática, hepatite crônica por vírus B ou C; doenças que comprometem as vias biliares; doença hepática alcoólica; hepatite autoimune, doença hepática gordurosa não alcoólica, doenças metabólicas na infância; tumores hepáticos primários ou hepatites fulminantes (drogas, vírus), por exemplo.

Em 2017, entre janeiro e março, segundo o Registro Brasileiro de Transplantes da ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos), foram realizados 506 transplantes hepáticos. Só no Paraná, entre janeiro e maio, também de acordo com dados da SESA, foram 103 procedimentos. Na Uopeccan, o Centro Avançado do Fígado já tem equipe definida para operar e trabalhar diante do credenciamento para a realização dos transplantes. Sob a coordenação do médico Luis Bredt, o Centro também contará com as áreas de hepatologia, infectologia, anestesia, nutrição, enfermagem, cancerologia, psicologia, fisioterapia, assistência social, farmacêutica e outros. Toda essa equipe multiprofissional já passou por todas as capacitações necessárias, passando, inclusive, pelo Hospital Albert Einsten por meio de convênio com o Ministério da Saúde. Integração que une profissionais e cria verdadeiras pontes no Paraná a fim de que todos os pacientes recebam o tratamento necessário.