Centro Avançado do Fígado

O Centro Avançado do Fígado do Hospital Uopeccan de Cascavel tem por missão diagnosticar, tratar e acompanhar pacientes com tumores do fígado de maneira multidisciplinar e atualizada, procurando obter os melhores resultados possíveis em termos de sobrevida e qualidade de vida para os pacientes portadores de neoplasia hepática.

Cirurgia Hepatobiliar
Dr. Luis Cesar Bredt – Responsável Técnico pelo Site
Dr. Julio Cesar Zanini
Dr. Francisco Guilherme Fernandes

Gastroenterologia
Jarbas Joel Hendges

Enfermagem
Enfa. Sandra Mara Vendramentto
Enfa. Elaine Cordeiro

Serviço Social
Assistente Social Ana Luisa Franceschi

Nutrição
Nutricionista Flavia M. Zanella

Infectologia
Dra. Carla Sakuma de Oliveira

CCIH
Enfa Marisa Cristina Preifz

Psicologia
Psicóloga Maria Inês Amaro Assunção de Melo

Gerência de Serviços de Saúde
Gladys Mari Rodrigues

São várias as doenças que podem atingir o fígado. Dentre as principais doenças que podem atingir o fígado está a cirrose por hepatites crônicas. Dentre as causas de hepatite crônica destacam-se a viral (principalmente B e C), auto-imune ou causada pela reação ao álcool. Outros tipos de doenças do fígado são menos frequentes, como: doenças metabólicas, genéticas, infiltrativas, colangiteesclerosante, cirrose biliar primária e atresia das vias biliares.

A biópsia hepática consiste na extração de uma pequena amostra do fígado para seu exame ao microscópio por um especialista (patologista). Esta técnica é utilizada habitualmente para diagnosticar doenças e tumores do fígado.  Este procedimento pode ser realizado percutâneo, por videolaparoscopia, transjugular ou por laparotomia.

A hepatectomia é considerada como uma das mais difíceis e desafiadores operações cirúrgicas. A primeira ressecção hepatica eletiva bem sucedida foi realizada por Langenbuch em 1888. Em 1908, um grande avanço técnico ocorreu com Pringle, que estabeleceu os princípios de controle vascular do fígado. Contudo o verdadeiro marco na cirurgia hepática ocorreu com COUINAUD em 1957, que descreveu a anatomia portal segmentar do fígado, orientando as ressecções.

Os princípios das ressecções segmentares e sub-segmentares, técnicas da ecografia intra-operatória, controle vascular e ressecções vasculares são refinamentos que proporcionaram um grande desenvolvimento na técnica cirúrgica das hepatectomias.Com os refinamentos destas técnicas, seleção dos pacientes, otimização da anestesia e cuidados pós-operatórios adequados, houve uma melhoria significativa nos resultados cirúrgicos das hepatectomias. Atualmente, a taxa de mortalidade das ressecções de fígado é inferior a 5% e taxas de transfusão sanguínea entre 6,2% e 49%.

Dificuldades particulares surgem nas ressecções hepáticas quando na presença de cirrose hepática, com consequente déficit funcional do parênquima remanescente, ressecções de tumores das vias biliares, devido obstrução e infecção biliares concomitantes, tumores envolvendo as estruturas vasculares do hilo hepático, veias supra-hepáticas e lobo caudado.