Câncer na Infância

Definição
Leucemia é a neoplasia maligna mais freqüente na infância, caracterizado pela proliferação anormal dos Leucócitos.

Classificação
É classificada como aguda e crônica. A leucemia Aguda- é dividida em linfóides (LLA) 75% dos casos e as mielóides (LMA) 15-20% .
A leucemia crônica corresponde a um pequeno número de casos de 5-10%. A diferença entre os 2 tipos está no tipo da célula. Na leucemia aguda a célula é jovem denominada de Blasto e na leucemia crônica a célula é madura.

AGUDA Linfóide(LLA)- 75% casos
Mielóide(LMA) 15 – 20% casos
CRÔNICA 5 – 10% casos

A leucemia aguda atinge qualquer faixa etária porém a leucemia linfóide aguda(LLA) tem um pico de maior incidência em torno dos 4 anos de idade e a mielóide aguda(LMA) em torno dos 10 anos. Porém os dois tipos de leucemia pode atingir qualquer faixa de idade.

Causa
A causa não está bem definida, porém já se tem demonstrado possíveis fatores associados ao aparecimento da leucemia. 1. Fator genético – criança com alteração cromossômica tem uma predisposição maior de desenvolver leucemia do que aquela que não tem esta alteração. 2. Fator ambiental- a exposição a radiação; agente químico(ex. benzeno). 3. Infecções virais- já existem alguns virus apontados como possíveis desencadeadores de processos leucemicos(ex. vírus Epstein Barr; retrovírus; HTLVI).

Manifestações Clínicas
Anemia, sangramento (na pele, boca), febre, falta de apetite, cansaço, aumento dos linfonodos do pescoço ( caroço no pescoço), aumento do figado e/ou baço.

Diagnóstico
Exame de sangue (hemograma) que normalmente acusa: alteração nos níveis de hemoglobina (baixa), leucócitos com a presença de células jovens (blastos) e plaquetas diminuídas. Muitas vezes uma alteração em uma das linhagens celulares já pode sugerir o diagnóstico. A confirmação do quadro só é feita através do aspirado de medula óssea, que é feito para confirmar e complementar o estudo para diferenciação de subtipos celulares. Além da medula óssea é feito a punção do líquido da espinha (coluna espinhal) denominado de liquor (LCR) com a finalidade de pesquisar células neoplásicas e/ou colocar medicação quimioterápica para proteger a cabeça da criança da doença. A célula da leucemia possui características morfológicas, imunológicas, citogenéticas distintas, fazendo com que cada criança apresente respostas terapêuticas diferentes.

Tratamento
Quimioterapia e/ou radioterapia, com uma taxa de cura nas leucemias linfóides agudas em torno de 75% e as mielóides agudas de 50%.
O mais importante: A LEUCEMIA NA INFÂNCIA TEM CURA.

Definição

É uma neoplasia maligna dos gânglios linfáticos. Atinge a criança em qualquer faixa de idade. Existem 2 tipos: Linfoma de Hodgkin e Linfoma não Hodgkin. A diferença entre eles está no tipo de células encontradas e na manifestação clínica da doença.

Causa

Assim como as leucemias, os linfomas não tem uma causa específica. O tempo de aparecimento da doença varia de menos de 1 mês até 3 a 4 meses.

Manifestação Clínica

Aparecimento de uma massa, ou seja, o aumento de gânglios no pescoço e/ou na axila e/ou virilha. Massa no abdômen (caroço na barriga), perda de peso, falta de apetite. Pode ou não estar associado a anemia e/ou infecção e/ou sangramentos- isso só ocorre se a doença já atingiu a medula óssea da criança.

Diagnóstico

Biópsia dos gânglios ou da massa. Também é feito aspirado de medula óssea, exames de sangue, raio X, tomografia computadorizada, com o objetivo de saber os locais comprometidos pela doença. Após estes exames, o paciente é classificado de acordo com os locais atingidos (estádio I, II, III e IV), ou seja, se a doença esta em um local ou em vários locais diferentes.

Tratamento / Prognóstico

Quimioterapia e/ou radioterapia e/ou cirurgia.O prognóstico vai depender do grau de comprometimento da doença. Na criança ambos os tipos de linfomas, o índice de cura é bom, variando de 70- 90% de cura.

Dúvidas

Linfoma é o mesmo que Leucemia?

Não, o linfoma é uma neoplasia maligna que tem início nos gânglios linfáticos e a leucemia geralmente tem início na medula óssea e atinge os gânglios na evolução da doença.

Definição

Tumor que surge nas células do sistema nervoso simpático. A maioria do tumor ocorre no abdômen na glândula da supra renal (adrenal), também pode ser encontrado na região do tórax.

Manifestação Clínica

Aumento do volume abdominal, anemia, perda de peso, irritabilidade, cansaço, emagrecimento. A maioria dos casos são diagnósticados antes dos 5 anos de idade. Essa doença freqüentemente dá metástase para medula óssea, osso, figado, pele. Proptose(progessão do globo ocular para frente) e equimose peri-orbitária( mancha roxa ao redor do olho) são manifestações decorrentes da infiltração retobulbar (estruturas atras do olho) e orbital pelas células do tumor.

Diagnóstico

Raios X, ecografia abdominal, tomografia (crânio, tórax, abdomen), cintilografia óssea, ressonância magnética, aspirado/biópsia de medula óssea, exames de sangue e exames de urina.

Tratamento / Prognóstico

Cirurgia e/ou quimioterapia e/ou radioterapia. O prognóstico depende do grau de comprometimento.

Definição

Tumor sólido maligno que surge nas células mesenquimais, ou seja, células que estão distribuídas em todo corpo.

A doença recebe vários nomes, dependendo do local atingido:

Células do músculo       RHABDOMYOSARCOMA
Células da cartilagem   CHONDROSARCOMA
Células do osso              SARCOMA DE EWING / OSTEOSARCOMA
Células fibroblástica     FIBROSARCOMA

Manifestação Clínica

Aumento de volume da região acometida, podendo ou não ser acompanhado de dor. Ocorre em qualquer região do corpo(cabeça, tórax, membros).

Diagnóstico

Raios X, tomografia e a biópsia do local comprometido.

Tratamento / Prognóstico

Cirurgia e/ou quimioterapia e/ou radioterapia. O prognóstico é bom principalmente nos casos diagnosticados precocemente.

Definição

Tumor intraocular (dentro do olho). É um tumor malígno originário da célula da retina.

Causa

Pode ser hereditário e não hereditário. Na forma hereditária, existe uma história familiar da doença, transmitida pelos pais. A forma não herdada é aquela onde surge de forma esporádica sem história familiar de retinoblastoma.

Manifestação Clínica

Mancha branca dentro do olho(leucocoria), que emite um reflexo quando incide a luz denominada REFLEXO DO OLHO DE GATO. Outros sinais: estrabismo, perda de reflexo, deficit visual, dor, e em casos mais avançados a protusão do globo ocular (o olho saindo para fora).

Diagnóstico

Usualmente é feito por um oftalmologista experiente com base nos achados do exame oftalmológico, além de tomografia de crânio, liquor (LCR), biópsia e aspirado de medula óssea para avaliação de metástases. Nesta doença é fundamental o diagnóstico na fase inicial para que seja conservado o olho e preservada a visão.

Tratamento / Prognóstico

Cirurgia, quimioterapia e/ou radioterapia. O prognóstico é bom variando de 70-90% de cura.

Definição

Tumor de origem nas células do rim, normalmente diagnosticado nos primeiros anos de vida (1 a 5 anos).

Manifestação Clínica

Aumento do volume abdominal com a presença de massa na face lateral do abdômen. Chama atenção o bom estado geral e aparentemente sem outras queixas.

Diagnóstico

Exames radiológicos (raio X, ecografia abdominal, tomografia computadorizada), exames de sangue e urina. Biópsia da massa.

Tratamento / Prognóstico

Cirurgia, podendo ser complementado com quimioterapia e/ou radioterapia, dependendo do grau de comprometimento da doença. O prognóstico é bom varia com o grau de comprometimento da doença resultando em torno de 75-95% de cura.

Definição

Tumor em sistema nervoso central que abrange vários tipos e vai depender de sua localização intracraniana (ependimoma, astrocitoma, meduloblastoma, craniofarigioma, gliomas, etc.).

Manifestação Clínica

Depende da sua localização: dor de cabeça freqüente principalmente pela manhã, tonturas, vômitos , desequilíbrio no andar, estrabismo.

Diagnóstico

Tomografia computadorizada de crânio, ressonância magnética.

Tratamento

Cirurgia, seguidos de radioterapia e/ou quimioterapia. A definição terapêutica vai depender do tipo do tumor.